A depressão é um transtorno do humor, que pode afetar crianças e adolescentes como os adultos. De fato, a depressão afeta cerca de 5% das crianças. No entanto, esse percentual aumenta consideravelmente ao chegar à adolescência, situando-se por volta de 12%. Além disso, neste trecho de idade, sua incidência é muito maior no sexo feminino. Este distúrbio pode ser causado por muito diversões fatores e situações que geram estresse em adolescentes, sendo as mais comuns: – O próprio processo natural de maturação, que em alguns casos leva impliquem um aumento do stress. – A influência que exercem os hormônios sexuais. – Os conflitos que se apresentam com mais freqüência nesta fase com os pais. – O fracasso escolar. – A morte de algum parente próximo ou amigo. – Os problemas sentimentais. – Algum antecedente de depressão na família. – Os jovens com baixa auto-estima. – Os adolescentes que têm pouco controle frente a acontecimentos negativos. – Aqueles que são muito autocríticos. Os sintomas mais comuns que podem fazer suspeitar que nossos filhos sofrem de depressão são: – Tristeza. As crianças choram com maior freqüência, têm o humor triste. – Preocupação excessiva por determinados assuntos que antes não lhes afetavam tanto. – É muito comum que aparece irritabilidade, irascibilidad e suspeita. As crianças com depressão se zangam com maior freqüência, discutem-se muito mais com seus pais, irmãos e professores. – As crianças apresentam mara, que é uma menor capacidade para se divertir, por isso é normal que as crianças mostrem que estão entediados. Além disso, não gostam, como fizeram antes com atividades de lazer que agora nem lhes subjazem. – É muito comum que diminua o seu desempenho acadêmico. – Os sintomas anteriores dão lugar a outras consequências como o isolamento, já que o impedem de sair com seus amigos. Também começam a suspender algumas disciplinas. – De forma habitual, as crianças e adolescentes com depressão têm alterações do sono e do apetite. Em alguns casos, têm dificuldade em conciliar o sono e comem pior, enquanto que também pode ocorrer o contrário, que passem muitas horas dormindo e comer mais por ansiedade. É importante que os pais levem seu filho ao especialista para que ele comece a tratar a depressão. Além do tratamento medicamentoso, é geralmente realizada psicoeducación, isto é, explicar tanto o paciente como para os pais que é o que é que lhe acontece. Além disso, foi-lhes informado que a depressão não é culpa de ninguém, mas é um transtorno cerebral que tem uma origem biológica, e daí a necessidade de receber um tratamento. Os medicamentos mais comumente utilizados são os antidepressivos. Em alguns casos específicos, pode-se considerar realizar uma psicoterapia regrada de tipo cognitivo conceitual por parte de um psicólogo. Há que ter em conta que a depressão costuma responder na maioria das vezes, de forma muito favorável ao tratamento. Daí a importância de se estabelecer um tratamento adequado o mais rápido possível para prevenir episódios que possam acontecer no futuro. Por último, há que realçar que nunca menosprezar a depressão porque pode ser a origem de problemas muito mais graves. De fato, a depressão é a principal causa de suicídio e, por sua vez, o suicídio é a terceira causa de morte em crianças e adolescentes.