Os implantes mamários com próteses PIP estão gerando algum alarme social, e são muitas as mulheres que estão pedindo soluções para esta situação. Por outro lado, o Ministério da Saúde pede que se mantenha a calma mas aconselha as mulheres que usam este tipo de prótese que se faça um exame médico. Saúde recomenda que os pacientes que podem ter problemas a assistir a uma avaliação com o cirurgião que implantou a prótese para que faça uma avaliação da situação e avalie se pode haver ruptura da prótese. No caso de haver inflamação ou qualquer outro problema, recomenda-se a extração. Para o tema da extração estabelece duas opções em função do local em que se realizou a operação: 1) Por um lado, as mulheres que se colocaram a prótese em um hospital público têm direito a que o Sistema Nacional de Saúde arcar com os custos de extração. 2) Para as mulheres que compareceram a um centro privado a fazer a intervenção, recomenda-se que se ponham em contato com a sua seguradora, já que o Serviço Nacional de Saúde não será responsável, em princípio, a remoção das próteses que se colocaram em um hospital privado. O razoável é que a seguradora arcar com os custos necessários. Pode dar-se o caso de pacientes, que em seu momento se colocaram a prótese em uma clínica privada, não podem responsabilizar-se pelo pagamento de extração e não têm companhia de seguros ou se esta não os cubra. Neste caso, é muito provável que cada Comunidade Autónoma estabeleça um sistema para poder ajudá-las com a extração. O que está claro é que, nos casos em que se recomende que se extraiam as próteses PIP as mulheres recebem a atenção necessária, por uma ou outra via. Fonte Imagem Flickr