Os ácaros são organismos microscópicos que existem em todo o pó e a sujidade e, muitas vezes, podem causar reações alérgicas, com sintomas que são similares aos delasma e alergias ao pólen. Ao tomar algumas precauções, para além do alcance normal de uma boa manutenção, é possível reduzir e prevenir a maioria dos sintomas, tais como o lacrimejamento dos olhos, tosse e espirros. Lava toda a roupa de cama uma vez por semana, em água quente que atinja, pelo menos, 130º. Os ácaros vivem em roupas de cama, já que podem sobreviver comendo as células mortas da pele, as que se descamam cada noite quando você está dormindo. Ao lavar os lençóis, fronhas e cobertores em água muito quente podem manter sob controle, os ácaros do pó. Prevêem as alergias do ácaro do pó com o uso de um plástico especial que cobre o colchão de molas e até mesmo as almofadas. Existem novos tipos de luvas preparados especialmente para os ácaros do pó, de plástico no interior e de tecido mais macio no exterior, que fará com que os envolvidos se sintam mais confortáveis. Muitos pacientes relatam uma redução significativa da alergia aos ácaros do pó e os sintomas de asma depois de usar este tipo de produtos. Retira a parede carpete e todos os tapetes do chão, com o fim de prevenir as alergias do ácaro do pó. Muitas pessoas que sofrem de alergias aos ácaros do pó também relatam uma forte diminuição dos sintomas de alergia quando os tapetes são retirados os pisos de madeira, já que são ideais para que os ácaros se reproduzem a um ritmo exponencial. Use cortinas para cobrir as janelas, em vez de cortinas em tecido, cortinas de plástico e de madeira são fáceis de manter limpos e livres de poeira e isso significa ter um lar, que relativamente está livre de ácaros. Você tem que abater os animais de pelúcia que não podem ser lavados em água quente, especialmente os que têm mais anos de idade, já que são verdadeiros imãs para a atividade dos ácaros do pó, e isso fará com que se melhore a qualidade de sua respiração enquanto dormem. Fonte Imagem:Raios de Luz – Gláucia Góes/flickr