Os benefícios que o exercício físico e a prática do esporte traz para o nosso organismo são inúmeros. Não só nos permite estar em forma e com boa saúde, mas que ajuda a tonificar o nosso corpo, queimar calorias e melhorar o nosso sistema cardiovascular, ativar o metabolismo, combater a ansiedade, a depressão e o stress, oferecer-lhe mais energia, obter uma melhor qualidade do sono e melhora o funcionamento de nossas articulações, entre outras vantagens. Além de ter uma dieta rica e equilibrada, a atividade física é a nossa melhor aliada para nossa saúde. Numerosos estudos têm demonstrado as maravilhosas propriedades benéficas do que o exercício físico tem para a saúde. Mas agora sabemos também que correr de forma regular ajuda a viver mais e melhor, isto é, com uma melhor qualidade de vida. Em concreto, jogging, entre uma hora e duas horas e meia por semana, em duas ou três sessões e a uma velocidade moderada, aumentar a longevidade em até 5,6 anos em homens e 6,2 anos em mulheres. O estudo, que foi realizado pelo Hospital Universitário de Bispebjerg da Dinamarca, mostra que os benefícios deste exercício são visíveis sem a necessidade de gastar um monte de tempo. Peter Schnohr, chefe do estudo, apontou que correr de forma regular tem claros efeitos sobre a longevidade das pessoas, aumentando de forma bastante significativa. De fato, os resultados da pesquisa são bastante conclusivos, já que durante o período de seguimento (1976 a 2003) registraram-se 10.158 mortes entre os não corredores e apenas 122 entre os corredores. O estudo, que começou em 1976, foi realizado com um total de 20.000 pessoas -homens e mulheres - entre 20 e 93 anos. O estudou demonstra que o risco de morte foi reduzido em 44% dos corredores. Schnohr aponta também que praticar jogging de forma regular permite melhorar a absorção de oxigênio, reduz a pressão sanguínea, melhora a função cardíaca, a densidade óssea, função imunológica, previne a obesidade, melhora a função psicológica, aumenta a sensibilidade à insulina, permite controlar os níveis de colesterol, aumenta a atividade fibrinolítica e diminui a agregação plaquetária.