Quando nós vemos a necessidade ou obrigação de tomar algum tipo de medicamento para curarnos, há que ter em conta que os alimentos que tomamos, podem ter algum tipo de efeito sobre esses medicamentos. Em alguns casos, estes efeitos serão positivos, aumentando a eficácia do medicamento ou ajudando a diminuir os efeitos colaterais, mas em outras ocasiões, os efeitos podem ser negativos, e até mesmo, fazer com que o medicamento perde a eficácia. Por esse motivo, é importante conhecer as possíveis interações entre alimentos e medicamentos, bem como a forma correta de tomar um determinado fármaco. Vamos pedir informações ao médico ou, na sua falta, ao farmacêutico sobre se temos que tomar o medicamento com as refeições ou em jejum, com a finalidade de obter o melhor resultado possível. Não se costuma dar muita atenção a essas interações e são bastante comuns. Especialmente, há que ter cuidado em pacientes que tomam medicamentos com uma estreita margem terapêutica ou aqueles medicamentos de uso crônico. Nestas interações entre alimentos e medicamentos influenciam três tipos de fatores: os que dependem do paciente, do medicamento e do alimento. – Fatores dependentes do paciente: Em função da idade, sexo, estado geral de saúde e estado fisiológico dos efeitos do medicamento podem variar. – Fatores dependentes de alimentos: São fundamentais das proteínas e hidratos de carbono que se ingieran na dieta, o conteúdo de gordura e a quantidade de líquido ingerido são chaves na hora de analisar as interações entre alimentos e medicamentos. – Fatores dependentes do medicamento: depende das próprias características e componentes do fármaco. Este tipo de interações que se dão entre alimentos e medicamentos podem ser divididos em dois tipos: – Alteração farmacodinâmica: embora em menor número, são as mais graves, pois afetam a própria ação do fármaco. – Alteração farmacocinética: é a mais comum e ocorre quando os alimentos alteram a capacidade de absorção, distribuição ou metabolização dos fármacos. Podem dar um grande número de interações entre alimentos e medicamentos, mas as mais comuns são as seguintes: – Os alimentos gordos reduzem a absorção e os efeitos dos medicamentos antiretrovirales até a metade. – Leite e ferro reduzem a absorção e efeitos de fluoroquinolonas e bifosfonatos. – Os alimentos ricos em proteínas provocam uma redução da absorção de antiulcerosos. – O alho em altas doses reduz a biodisponibilidade de antiretrovirales ao reduzir consideravelmente a sua absorção. – Das brassicaceae (couve-flor, repolho, brócolis...) reduzem a eficácia dos anticoagulantes orais. – Os sucos de frutas cítricas, especialmente de toranja, aumentam os níveis plasmáticos de antagonistas dos canais de cálcio, medicamentos antirrechazo de transplante, triazolam e saquinavir. – A soja aumenta os níveis plasmáticos de medicamentos, e também seus efeitos colaterais.