As diferenças cada vez maiores entre as diferentes regiões do mundo, entre ricos e pobres, provoca também uma grande desigualdade no acesso aos alimentos. Do mesmo modo, o problema da obesidade nos países desenvolvidos está se tornando uma verdadeira epidemia, um dos grandes desafios da saúde pública e que mais preocupa os especialistas em nutrição. De fato, dois de cada três homens têm excesso de peso e uma em cada seis pessoas é obesa. Mais preocupante ainda é o alarmante aumento da obesidade infantil, que aumentou em 35% na última década. A obesidade e o excesso de peso é um fator de risco muito importante de morbi-mortalidade para a população e de sofrer várias doenças. Além disso, há que ter em conta que o estilo de vida atual, com muitas pessoas obrigadas a comer fora de casa, a falta de tempo para cozinhar, a vida sedentária e os excessos de alimentação aos fins-de-semana, agravam ainda mais o problema. O excesso de peso não é apenas um problema para a população em geral, mas também uma grande ameaça para a sustentabilidade do meio ambiente mundial, tal como demonstrou um estudo publicado no BMC Public Health. Foi produzido pela primeira vez um mapa da massa corporal da população mundial, incidindo na proporção do excesso de peso e da obesidade em diferentes regiões da terra. De acordo com os pesquisadores da London School of Higiene e Medicina Tropical, o peso global de toda a população é de 287 milhões de toneladas, das quais 15 milhões se devem ao excesso de peso e 3,5 milhões para a obesidade. O peso médio no mundo é de 62kg. No entanto, as diferenças são marcantes entre regiões. Assim, na América do Norte, esta média se eleva até os 80,7 kg, que é o maior índice de massa corporal de todo o mundo. Apesar de que na América do Norte habita apenas 6% da população mundial, acumula ela só 34% da massa corporal devido a obesidade. No lado oposto encontra-se na Ásia, onde vive a 61% da população mundial, o índice de massa corporal provocado pela obesidade é de apenas 13%. Este estudo volta a demonstrar que os problemas de excesso de peso e obesidade são especialmente graves nos Estados Unidos. De fato, se o índice de massa corporal deste país fosse idêntico em todos os países, o peso da população mundial aumentaria em 58 milhões de toneladas, ou o que é o mesmo, o equivalente a 935 milhões de pessoas a mais no mundo. Estes resultados revelam o impacto ecológico de nossa espécie. E é que não é apenas um problema individual, mas também do conjunto da população, já que não é apenas o crescimento populacional, o que ameaça a sustentabilidade do meio ambiente mundial, mas também o peso total da população. Link: BMC