A neurite óptica é uma inflamação do nervo óptico que pode ser provocada por várias doenças, geralmente, a esclerose múltipla, e que causa, muitas vezes, perda súbita da visão no olho afetado. É a lesão mais comum deste nervo e a causa mais comum de perda de visão aguda em adultos jovens. O nervo óptico é o encarregado de levar a informação visual do olho até o cérebro. Por esse motivo, uma inflamação desse nervo pode causar lesões seu isolamento, o que poderia causar perda visual permanente. Por isso, sempre que tiver perda de visão súbita, há que recorrer, de forma urgente ao médico para que possa fazer um rápido diagnóstico. A origem da neurite óptica é desconhecido, mas tende a estar relacionado com outras doenças, como: – Esclerose múltipla. – Doenças auto-imunes, como o lúpus, sarcoidose ou doença de Behcet. – Infecções bacterianas, como a tuberculose, meningite e sífilis. – Infecções de tipo viral, como a mononucleose, a encefalite viral, varicela, o sarampo, a rubéola, a papera ou herpes zoster. – Infecções respiratórias, como pode ser a neumonoía por micoplasma. – A Criptococose Podemos suspeitar de uma neurite óptica quando ocorrer um ou mais dos seguintes sintomas: – Perda da visão de forma repentina. Em questão de algumas horas ou poucos dias, aparece uma perda de visão. Na maioria das vezes afeta um olho só, mas também podem dar-neurite óptica bilateral com perda de visão em ambos os olhos. – Dor ocular, em especial ao mover o olho. – Manchas ou pontos cegos no campo de visão. – Alteração nas reações da pupila na percepção da luz brilhante e de profundidade. – As cores podem apresentar um aspecto incolor, em especial o vermelho. Todos estes sintomas pioram quando ocorre um aumento da temperatura do corpo. O diagnóstico da neurite óptica é clínico, já que a sua apresentação é típica. No entanto, dada a sua relação com outras doenças, em especial a esclerose múltipla, é importante a realização de outros testes para completar o diagnóstico, para elucidação da causa, estabelecer um tratamento e determinar o prognóstico visual e neurológico. Algumas delas podem ser um teste de visão cromática, uma ressonância magnética do cérebro e um exame de acuidade visual. A visão é geralmente recuperar ao fim de 2 a 3 semanas sem tratamento. O prognóstico é excelente na maioria dos pacientes que não têm uma doença associada à neurite óptica. No entanto, o prognóstico é sombrio quando é originada pela esclerose múltipla e outras doenças auto-imunes. Há que ter em conta que um alto percentual de pacientes com neurite óptica desenvolver esclerose múltipla nos anos seguintes. De fato, em 20% dos pacientes, a neurite ótica se apresenta como o primeiro sintoma de esclerose múltipla.